Síndrome Burnout: como crescer evitando excessos

Talvez você nunca tenha ouvido falar dela, mas a Síndrome de Burnout já afeta quase um terço de todos os profissionais brasileiros. Ela é uma doença silenciosa, que se dá a partir do esgotamento físico e mental causado pelo estresse do trabalho. Um pouquinho de estresse no dia-a-dia é normal. Ele, inclusive, nos ajuda a tomar decisões no trabalho e na vida pessoal.

Entretanto, se o comportamento for uma constante, principalmente, quando o profissional acaba de chegar à empresa, é melhor ficar de olho. A síndrome atinge, em especial, profissões em que há um impacto direto na vida de outras pessoas ou intensa pressão, entretanto, pode ser encontrada em todas as áreas do trabalho.

O que leva a Síndrome de Burnout

São vários os motivos que podem levar uma pessoa ao esgotamento físico e mental no trabalho, como o perfeccionismo, as metas profissionais ainda não alcançadas, a competitividade, impaciência, etc…

Outros fatores também podem ser causadores desse nível máximo de estresse, como por exemplo, problemas de relacionamento com clientes e chefes, a falta de cooperação entre os colegas de trabalho, o desequilíbrio entre a vida profissional e a pessoal e a perda de autonomia. Os workaholics (profissionais que se fazem do trabalho um estilo de vida) também têm mais chances de sofrerem com a síndrome.

O que acontece com alguém afetado

Com isso tudo, o rendimento cai, e a carga de trabalho é em média de cinco horas a menos por semana em relação a um funcionário em estado físico e emocional normal. O convívio social fora do ambiente do trabalho também é prejudicado.

Além disso tudo, ainda, existe um risco maior de erros e acidentes de trabalho, devido à desatenção e à imprudência.

 Tratamento

Caso seja diagnosticada a doença, o primeiro passo para tratar a Síndrome de Burnout é o afastamento temporário do profissional. É indicado também um tratamento psicoterápico, que será prescrito a partir da análise da relação do profissional com a profissão, o ambiente de trabalho e o tratamento de cada sintoma individualmente.

O que fazer para evitar

O mais indicado é tentar evitar a doença com hábitos diários como: tirar o trabalho do topo das suas prioridades de vida, procurar descobrir atividades extracurriculares que lhe deem prazer, fazer mais passeios culturais, aprender a delegar tarefas, manter uma alimentação saudável, etc..

Também é interessante fazer do ambiente de trabalho um espaço aconchegante, com opções para esfriar a cabeça, além disso, vale a pena trabalhar na companhia de outras pessoas, e nisso o coworking pode ajudar!

Além disso, o Ministério da Saúde (http://saude.gov.br/saude-de-a-z/saude-mental/sindrome-de-burnout),  elenca mais algumas  formas de evitar a Síndrome de Burnout são:

  • Defina pequenos objetivos na vida profissional e pessoal.
  • Participe de atividades de lazer com amigos e familiares.
  • Faça atividades que “fujam” à rotina diária, como passear, comer em restaurante ou ir ao cinema.
  • Evite o contato com pessoas “negativas”, especialmente aquelas que reclamam do trabalho ou dos outros.
  • Converse com alguém de confiança sobre o que se está sentindo.
  • Faça atividades físicas regulares. Pode ser academia, caminhada, corrida, bicicleta, remo, natação etc.
  • Evite consumo de bebidas alcoólicas, tabaco ou outras drogas, porque só vai piorar a confusão mental.
  • Não se automedique nem tome remédios sem prescrição médica.

É fundamental manter o equilíbrio entre o trabalho, lazer, família, vida social e atividades físicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *